Terra plana e outros negacionismos

Por Claudio Angelo

 

Numa praia no estado americano de Washington, um homem de meia-idade desenha na areia uma curva com um pedaço de pau e aponta para o horizonte. Do outro lado da baía é possível ver a cidade de Seattle. O homem olha para a câmera e explica em segundos por que está certo de que aquela visão desmonta 2500 anos de demonstrações científicas acumuladas de que a Terra é uma esfera.

“O motivo de estarmos ganhando da ciência é que a ciência só fala de matemática, enquanto nós dizemos, 'ei, ali está Seattle!' Uma imagem vale mais do que mil palavras.”

O nome do homem é Mark Sargent, um cinquentão que mora com a mãe e que nos últimos quatro anos virou celebridade na internet ao produzir uma série de vídeos argumentando que a Terra é plana. Sua “lacração” contra a ciência é uma das cenas iniciais do documentário A Terra é plana (Behind the Curve), de Daniel J. Clark, disponível na Netflix e imperdível para quem quer entender o Brasil de hoje.

No filme, Clark busca traçar a gênese da febre terraplanista, entrevistando as estrelas do movimento e deixando-as expor livremente seus “argumentos” diante das câmeras.

Sargent e o exército de malucos que o seguem aparentemente estão convictos de que o céu é um domo gigante no qual as estrelas são projetadas por alguém, de que o “disco terrestre” é uma espécie de cenário de Hollywood e de que a borda do mundo, a Antártida, é uma muralha de gelo “em estilo Game of Thrones" protegida pelos governos para que ninguém possa descobrir o segredo (Eu estive lá duas vezes e garanto que não vi guardas armados protegendo muralha nenhuma. Mas não acreditem em mim; eu posso ser parte da conspiração governamental.). A prova final da Terra plana, segundo eles, é que não existem voos transcontinentais sem paradas no hemisfério Sul. Qualquer sul-americano que já tenha voado para a África ou para a Austrália sabe que isso é uma idiotice.

É até constrangedor rebater esse tipo de argumento, uma vez que, ao fazer isso, as pessoas normais assumem implicitamente que existe um debate a ser travado. E isso é tudo de que os terraplanistas precisam: legitimidade. A própria Netflix cai nesse “outroladismo” e trata a turma com uma deferência descabida ao apresentá-los na sinopse do filme como “teóricos” que “convivem com uma sociedade que rejeita essa crença”.

A questão que grita na cabeça do espectador durante o filme é “como?”: como 2500 anos depois de Eratóstenes ter calculado a circunferência da Terra, 505 anos após Copérnico ter publicado seu primeiro comentário sobre o heliocentrismo, 108 anos após Amundsen ter chegado ao polo Sul e 58 anos depois de Gagárin ter visto o globo do espaço pela primeira vez, não apenas milhões de pessoas parecem duvidar da esfericidade da Terra, como são, cada vez, mais numerosas e estridentes?

Clark deixa as respostas a cargo de psiquiatras, astrofísicos, jornalistas de ciência e um astronauta que ele entrevista. A explicação não é única, mas ela passa por falhas cognitivas demasiado humanas. Entre elas está o chamado viés de confirmação, a tendência humana a só enxergar no mundo fatos que confirmem suas crenças e descartar o resto (digamos, alguém passa embaixo de uma escada de manhã e torce o pé à tarde e acha que o acidente aconteceu porque “passar embaixo de escada dá azar”). Uma variação disso é o efeito Dunning-Kruger, pelo qual pessoas incompetentes ou ignorantes tendem a achar que sabem tudo sobre um determinado assunto e acabam cegas aos próprios erros e às próprias contradições. Outra falha cognitiva é o viés de amostra, quando se assume que sua experiência pessoal permite generalizações sobre o mundo (alou, Bolsonaro).

Esses fenômenos, que sempre estiveram aí, são potencializados pela democracia direta da internet. No mundo analógico, o custo de veiculação de uma ideia fazia com que ela fosse submetida a uma espécie de filtro dos pares, na academia ou na imprensa, o que mantinha boa parte das loucuras seguramente trancafiadas na casinha. Isso acabou: qualquer ideia maluca hoje pode ser disseminada a custo zero e, para ganhar tração, tudo de que ela precisa é ressoar com as crenças de outras pessoas. Isso vale para estultices inofensivas, como a Terra Plana, mas também para delírios perigosos, como discursos de ódio e a negação de eventos históricos como a ditadura militar (alou, Ernesto Araújo).

O modelo de negócios das redes sociais facilita não apenas a disseminação de maluquices, como também sua conversão em guerras culturais. Em seu livro The Four, o publicitário americano Scott Galloway explica como isso funciona: para segmentar o público e vender anúncios, empresas como o Facebook precisam de cortes ideológicos claros (é mais fácil vender um sapato azul a pessoas que postam que AMAM sapatos azuis do que a quem acha que “marrom pode ser também”, por exemplo). Polarização vende, e os algoritmos tendem a priorizar opiniões polarizadas, que ganham mais “likes” e “shares”, num mecanismo que se retroalimenta.

A ciência, que é frequentemente contraintuitiva e não ressoa com as crenças íntimas das pessoas, perde feio nessa disputa. Como bem diz Mark Sargent no filme, “a ciência só fala de matemática, enquanto nós dizemos 'ei, ali está Seattle!'”. O conhecimento científico estabelecido e seus métodos de verificação, que datam do século quinze e podem ser com justiça considerados a maior conquista da humanidade, foram despejados do pedestal e lançados na praça do mercado, onde todas as ideias têm, a princípio, o mesmo valor. Agora, precisam se acotovelar por espaço na balbúrdia digital, onde quem grita mais alto leva os “likes” do freguês. A disputa é desleal.

Além, disso, a ciência ainda opera sob a gramática antiga da disseminação de ideias: hipótese, teste, validação e publicação. Sua natureza é não gritar mais alto. Por fim, seu código fechado pega mal na sociedade do século vinte e um, em que uma massa de excluídos pelo “sistema” associam a ciência e outras instituições guardiãs dos fatos, como a universidade e a imprensa, a um pensamento de “elite” – no limite, a uma conspiração contra o povo, o famoso “marxismo cultural”.

Esses fatores fazem com que prospere no mundo um pacote antifactual. E ele traz ideias que afetam diretamente vidas humanas, como o negacionismo das mudanças climáticas e a rejeição às vacinas (a quem se deve agradecer pela volta do sarampo aos EUA). Para se tornar catastrófico, a única coisa que faltava era que esse padrão de guerra cultural fosse capturado e convertido em arma por políticos populistas. Como sabemos, não falta mais.

No Brasil de Jair Bolsonaro, um ministro do Meio Ambiente se sente à vontade para dizer que mudança climática é uma discussão meramente “acadêmica”. Um chanceler da República tem liberdade para chamar o nazismo de “movimento de esquerda”. Um astrólogo idoso com fixação anal inspira dois ministros da Educação, que acham que o principal problema do setor no Brasil é a infiltração comunista. Opiniões de especialistas com 20 anos de estudo ou mais são equiparadas às de qualquer “digital influencer” pós-adolescente. A métrica da verdade não é mais a correspondência de uma ideia com o mundo real, mas o “like” e o “share”.

A comunidade iluminista, toda ela de repente agrupada sob o rótulo de “marxistas culturais” e sitiada pelas hordas on-line, está numa sinuca de bico. Como reagir? Indignar-se diante da barbárie significa alimentar a polarização, como provam os perfis no Twitter dos filhos 02 e 03 de Bolsonaro. Argumentar tem eficácia limitada: como o filme A Terra é plana mostra, negacionistas não acreditam nem nas evidências produzidas por eles mesmos. Ignorar os lunáticos, deixando de reportar na imprensa cada fala absurda, talvez seja a fórmula ainda não tentada. Mas quem está disposto a fazer isso e correr o risco de deixar a sandice virar política pública?

O mundo real tem sua maneira própria de lidar com negações. O caubói da propaganda do cigarro Marlboro morreu de câncer no pulmão. Filhos de militantes antivacina pegam doenças evitáveis. Negacionistas do clima também são atingidos por desastres naturais.

O problema, claro, é o estrago que a arma da guerra cultural pode fazer na sociedade antes de explodir na mão do político que a porta. Países como os EUA e o Brasil estão fazendo esse experimento agora. Saberemos em breve, mas não há nada que autorize a achar que o resultado será bom.

 

Claudio Angelo é jornalista e foi editor de ciência do jornal Folha de São Paulo de 2004 a 2010 e colaborou em publicações como Nature, Scientific American e Época.

Artigo publicado em: www.blogdacompanhia.com.br

 

Compartilhe
Share this