Inovação

INOVAÇÃO DO INPE TRAZ SEGURANÇA PARA POPULAÇÃO

 

Aplicativo SOS Chuva inova serviço de previsão imediata no país

 

A previsão numérica do tempo com alguns dias, em alguns casos, com até 15 dias de antecedência, comporta um conhecimento já consolidado em diversos centros meteorológicos no mundo, cujas informações estão bastante incorporadas ao comportamento das pessoas no dia a dia.

 

Por Paulo Escada
 

A previsão imediata, também conhecida como “nowcasting”, para minutos e horas a frente, ainda está dando seus primeiros passos no Brasil, afirma o pesquisador Luiz Augusto Machado, do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC, do INPE, responsável pelo desenvolvimento do SOS Chuva, um aplicativo para smarthphones, que já conta com mais de 60 mil usuários.

O sistema, que cobre boa parte do Estado de São Paulo, Rio de Janeiro, sul de Minas Gerais, mostra a localização, o volume e a intensidade das chuvas e relâmpagos em tempo quase real, além de prever chuvas e atividades elétricas na atmosfera com antecedência de 20 minutos, emite alertas de chuvas fortes nas proximidades. Também fornece imagens de satélite, entre outros dados e informações meteorológicas que auxiliam o usuário em tomadas de decisão.

O SOS Chuva está disponível no link: www.sigma-soschuva.cptec.inpe.br/ com mais recursos, permitindo acompanhar sistemas convectivos e chuvas, com resolução espacial de um quilômetro, e atualizações a cada cinco minutos, além de previsões de tempo de diferentes modelos.

O pesquisador destaca os diferentes meios e técnicas para a geração das previsões imediatas, entre os quais o uso de dados de radar meteorológico, e o diferencial de fornecer com precisão a localização de sistemas convectivos, alertas de chuvas intensas e previsões de curtíssimo prazo em pequenos intervalos de tempo. Tais diferenças abrem diversas possibilidades de uso das previsões imediatas, afirma Luiz Augusto.

Profissionais de Defesa Civil vêm participando de treinamentos sobre o SOS Chuva, e utilizando o aplicativo como ferramenta na gestão de risco de eventos extremos relacionados a chuvas fortes, como alagamentos, deslizamentos de terra etc.

Outra área com grande potencial de uso é a agricultura de precisão. Em uma parceria com a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - ESALQ, da Universidade de São Paulo - USP, o CPTEC vem desenvolvendo uma versão do SOS Chuva para a agricultura. Serão disponibilizadas informações sobre o acúmulo de chuvas, balanço hídrico, entre outros dados meteorológicos que influenciam a produtividade.

 

Divulgação/INPE

Treinamento para o SOS Chuva, em novembro do ano passado, reuniu diversos profissionais de Defesa Civil, além de estudantes e meteorologistas

 

O SOS Chuva integra dados de radares instalados em Campinas, Bauru, Presidente Prudente, São Paulo e Rio de Janeiro. Um dos principais radares do projeto, de dupla polarização e alta resolução, foi adquirido com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP, e está instalado no Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Além da Unicamp, outras instituições parceiras do CPTEC/INPE no projeto são: o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas - IAG/USP, o Centro de Meteorologia de Bauru - IPMET e o Departamento de Controle do Espaço Aéreo - DECEA.

O aplicativo SOS Chuva vem funcionando desde outubro do ano passado, com a atual cobertura (referente à cobertura dos radares do sistema), mas o conhecimento gerado para o seu desenvolvimento vem sendo trabalhado desde o início do projeto temático Chuva, também financiado pela FAPESP, que realizou campanhas científicas em diferentes regiões do país desde 2010.

O projeto teve como objetivo compreender a dinâmica de formação e desenvolvimento de nuvens de tempestades nos diferentes regimes de chuva sobre o território brasileiro. Medidas e o acompanhamento de processos no interior das nuvens, como formação de cristais de gelos, circulação dos ventos e atividades elétricas, contribuíram com o desenvolvimento das previsões imediatas, que hoje estão sendo disponibilizadas no SOS Chuva. As pesquisas continuam nesta nova etapa do projeto, cujas medidas, a partir do radar instalado no CEPAGRI/Unicamp, serão realizadas durante duas temporadas de verão.

 

Interatividade com o usuário

 

Divulgação/INPE

Aplicativo SOS Chuva mostra os diferentes volumes de chuvas em tempo real em São José dos Campos e Vale do Paraíba

 

Machado destaca a crescente interatividade do SOS Chuva no celular. O aplicativo permite que o usuário compartilhe informações, adicionando ícones que representam as condições de tempo no momento.

Para a próxima versão, ainda em fase de desenvolvimento, será possível compartilhar fotos, vídeos e relatos sobre as condições de tempo e eventos extremos, como chuvas fortes, granizo, alagamentos, deslizamentos de terra ou mesmo árvores caídas, entre outras situações de risco.

“O aplicativo reduz a vulnerabilidade da população, não somente a partir das informações sobre chuvas, mas também pela interatividade com o usuário, que poderá compartilhar informações mais detalhadas e precisas no sistema”, ressalta o pesquisador.

 

 

Compartilhe
Share this