Sipat-2017 atrai os servidores ao debater uso de novas tecnologias

 

CONCURSO DE FRASES TEVE MAIS DE 100 INSCRITOS

 

Compareceram ao evento mais de 700 funcionários, bolsistas e colaboradores. 

“A participação numa atividade que propicia a reflexão a respeito do cotidiano no trabalho deve ser uma conquista,  não uma imposição”, opina Carlos Ueda

 

Angela Lima

 

Refletir sobre o impacto das novas tecnologias e seu uso consciente: essa foi a proposta da Semana Interna de Prevenção  de Acidentes de Trabalho (Sipat) 2017, realizada entre os dias  4 e 17 de agosto no Instituto Nacional de  Pesquisas Espaciais (INPE). 

O tema garantiu  xpressiva adesão dos trabalhadores às atividades. Compareceram  mais de 700 servidores, bolsistas e demais colaboradores, um aumento de 57% comparado a 2016.

 

 Ivanil Elisiário  Barbosa, presidente do SindCT, um dos parceiros fundamentais  do evento, avalia que mesmo num  omento  e poucos recursos e com o  sucateamento do instituto a criatividade desenvolvida por uma equipe   reparada e comprometida possibilitou uma semana de reflexão.

 “Está no escopo do sindicalismo a sua preocupação  institucional com a garantia da segurança do trabalhador”, explicou. 

Proposto pelo grupo do  Sipat-2017, o tema foi resultado da observação das  práticas cotidianas e ganhou destaque na atenção ao comportamento dos funcionários do INPE.  

Entre os aspectos observados chamaram atenção a distração e o isolamento social, alavancados  pelo uso constante das redes sociais, disse  Andreia Sorice Genaro, da organização do evento.

 Detox digital 

Para sugerir o tema, o  grupo SIPAT-2017 consultou o trabalho do núcleo   especializado em Detox Digital, ou seja, “desintoxicação digital”, da Universidade Federal do Rio de  aneiro  (UFRJ), que pesquisa a interferência das tecnologias no comportamento humano.

 O  núcleo oferece suporte e tratamento aos usuários  abusivos de tecnologia. O interesse dos  trabalhadores  pelo tema foi perceptível já nas inscrições para o  concurso de frases, comenta Lincoln Teixeira, da Engenharia de Tecnologia Aeroespacial  (ETE).

“ O assunto contemplou os  erfis variados que convivem dentro  do INPE e a atualidade foi fundamental”, avalia. Mais de cem  participantes se inscreveram no concurso de frases e a premiação oferecida teve o objetivo de   promover as atividades coletivas ou, no caso do Kindle, um leitor de livros digitais,  possibilitar a  leitura confortável de livros e jornais.

 O autor do slogan deste  ano — “Novas tecnologias, sabendo  sar não vamos  nos acidentar” — foi Sérgio Norio Itame, do Serviço de Engenharia de Qualidade  (SEQ), presenteado com um violão.

“O tema foi muito oportuno e é preciso tirar proveito  das  novas tecnologias, mas refletir sobre a questão  de segurança”, comentou Sérgio, que comemorou    prêmio e disse se sentir estimulado a promover uma roda de violão.

O segundo lugar coube a   João Rizzeto Neto (“Consciência e Tecnologia  aliados pela saúde e segurança”), que ganhou o Kindle, e o terceiro a Renata Lopes Gonçalves de Souza  (“O uso consciente reduz acidentes”), ganhou um quebra- -cabeça com 3 mil peças.

 A participação dos trabalhadores  numa semana que propicia a reflexão a respeito do cotidiano no trabalho  deve ser uma conquista, não uma  imposição.

A opinião é de Carlos Ueda, servidor do  Nucleo de Prevenção a Acidentes de Trabalho   Nupat), que disse perceber ano após ano o aumento do número  de participantes.

Palestras

 A   abertura da Sipat-2017 contou com a palestra “O impacto da tecnologia das  mídias sociais na vida   no   cotidiano”, do filósofo e professor Luiz Felipe Pondé.

 “Com o advento das novas tecnologias   a noção de privacidade desaparece e o cidadão se torna cada vez mais visível”, ressaltou Pondé.  

Ao final de uma hora e meia de palestra o público pode fazer perguntas e debater sobre o tema. 

O  Jornal do SindCT questionou Pondé sobre a  abordagem do livro O Fim da Ausência, de Michel Harris.

Para esse autor vivemos num estado contínuo  de atenção parcial, com implicações  como a falta de tempo para lembrar das  memórias e a falta de condições ideais para um processo criativo. Pondé acredita  que a vida concreta se impõe e muito gente vai se cansar da  ver exposition .

 Para ele vivemos a impossibilidade do ócio, não por conta das redes, mas sim,  pela demanda de produtividade que vem antes: “Ela organiza nosso vício nas redes  e não o  contrário”.

 No dia 15 de agosto, o painel “O uso consciente de novas tecnologias” contou com a   participação da psicóloga Simone Januário, da advogada Viviane Batista Sobrinho Alves Torres e  de Massayki Onishi Yamamoto, responsável pela área de inovação do Sistema de  Ensino  Poliedro.

No dia 16 foi abordado o tema “AIDS,  DST e drogas - A Tecnologia como aliada na  revenção”,  com palestra de Daniel Cosmo da Silva, da empresa, Perfect Clean. No dia 17,  Peter  ibeiro, da CCR Nova  Dutra, falou sobre o “Impacto  dos gadgets na segurança de trânsito”.

O   evento foi encerrado com uma apresentação do grupo Conversa de Cordas, “com o objetivo  de  ostrar que a música é  uma forma saudável de se manter conectado e interativo”, ressaltou  Andreia.  

*Jornalista, especial para o Jornal do SindCT 

Compartilhe
Share this