Análise da Operação Cumã II; a culpa não foi do Brasil

in Clipping

http://www.defesanet.com.br/zz/space_vsb-30_2.htm

O desenvolvimento e construção dos módulos de serviço e de recuperação (pára-quedas, sistema de flutuação e localização) foi de responsabilidade da parte alemã

André Mileski escreve para "Defesanet":

O nome Cumã não parece trazer sorte para as missões de microgravidade.

A missão Cumã II, realizada em 19 de julho, repetiu em certa parte a falha ocorrida na missão Cumã I, efetuada em dezembro de 2002, também a partir de Alcântara, no Maranhão.

Na primeira missão, que utilizou um foguete de sondagem VS-30, antecessor do VSB-30, além da carga-útil com os experimentos científicos e tecnológicos não ter sido recuperada, houve ainda um problema em relação ao tempo em ambiente de microgravidade devido à separação prematura do módulo de carga útil.

A falha parcial da Cumã II, no entanto, não deve ser inteiramente creditado ao Programa Espacial Brasileiro.

A carga-útil lançada pelo VSB-30 foi desenvolvida pelo CTA em conjunto com o DLR-Moraba (instituto ligado à Agência Espacial da Alemanha), a partir de compromisso firmado no início da presente década, que visava o desenvolvimento de uma carga útil reutilizável que possibilitasse às Universidades e Centros de Pesquisa brasileiros a oportunidade de testar experimentos científicos e tecnológicos em ambiente de microgravidade.

Denominada MICROG1, o desenvolvimento e construção dos módulos de serviço e de recuperação (pára-quedas, sistema de flutuação e localização) foi de responsabilidade da parte alemã, enquanto que ao Brasil (IAE/CTA) coube os trabalhos relacionados aos módulos de experimentos, acoplamentos e coifa.

Segundo informações de pessoas envolvidas na missão, o pára-quedas da carga-útil chegou a ser aberto, mas não há certeza acerca do funcionamento dos sistemas de flutuação e de localização (GPS), que permitiriam o resgate dos experimentos por equipes da Força Aérea Brasileira (FAB).

De acordo com nota divulgada pelo CTA. serão realizados estudos técnicos para se descobrir os motivos da falha dos sinais.

Outros dois lançamentos de foguetes VSB-30 (Texus 44 e 45) estão previstos para ocorrerem em novembro e dezembro deste ano.

Tais missões serão efetuadas do centro de lançamento de Esrange, localizado no norte da Suécia.