Falta de recursos para compra de supercomputador ameaça previsão do tempo do Cptec

in Clipping

G1 Vale do Paraíba, 27 de novembro de 2017

 

Equipamento opera no ‘fim da vida útil’ e na última semana chegou a parar por dois dias após travar. Manutenção paliativa pode dar dois anos de 'sobrevida' à máquina, que opera desde 2010 e precisa ser substituída.

 

Para tentar driblar a falta de recursos, o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), de Cachoeira Paulista, aposta na manutenção do supercomputador Tupã - principal equipamento que faz a previsão do tempo em atividade no país. A máquina operada desde 2010 está no ‘fim da vida útil’ e na última semana chegou a parar por dois dias após travar. A manutenção é uma manobra para tentar dar 'sobrevida' ao supercomputador.

De acordo com a direção do instituto, o ideal seria a compra de um novo equipamento, mas por indisponibilidade orçamentária, a soma de um valor vindo de uma emenda e de um aporte da Ministério da Ciência e Tecnologia, vai ser empenhado na manutenção.

A medida, considerada paliativa, terá um custo de R$ 10 milhões e pode dar um fôlego de até dois anos para o equipamento. Um novo supercomputador custa entre R$ 50 milhões a R$ 120 milhões, dependendo das configurações.

A máquina gera previsões meteorológicas diárias e a longo prazo do tempo. As informações são usadas na agricultura, pelas prefeituras e Defesa Civil que recebem alertas de desastres naturais por meio do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemadem) e também pela aviação civil.

 

Falha

 

O equipamento parou de funcionar no domingo, dia 19 de novembro, e como na segunda-feira foi feriado da Consciência Negra, o reparo só aconteceu na terça (21) - ou seja, o supercomputador deixou de operar por dois dias.

A manutenção não é feita aos fins de semana porque o centro também teve que cortar o contrato da assistência técnica por falta de verba.

A empresa continua fazendo o serviço de forma gratuita para ajudar o instituto, mas apenas nos dias úteis. Por causa da ‘velhice’, o equipamento também deixou de ter garantia com o fornecedor neste ano.

Com o risco de travar novamente e deixar o país sem previsão do tempo, o Cptec informou que vai comprar novas peças e de sistemas.

“Estamos correndo para conseguir essa atualização tecnológica mesmo que parcial para os serviços não serem prejudicados. Recebemos R$ 3,5 milhões de emendas e o Ministério aportou R$ 6,5 milhões", explicou o chefe de operações do centro, Gilvan Sampaio.

 

"Uma máquina desse tipo é como um carro mais velho, que está sujeito a quebrar com mais frequência. O ideal é um equipamento novo e agora vamos ter um tempo a mais para conseguir a verba”, completou.

 

A previsão é que o contrato de manutenção seja assinado até o começo do próximo mês. Com ele, a assistência é retomada integralmente, com atendimento aos finais de semana. A expectativa é que o supercomputador fique pronto em até três meses.

 

Avaliação

 

O presidente do Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia do Setor Aeroespacial (Sidct), Ivanil Elisiário Barbosa, acredita que a manutenção é uma boa alternativa para o momento, mas alerta que o problema não vai deixar de existir.

"A gente considera que dentro do que é essencial, que é manter o serviço para sociedade, que é manter a previsão do tempo e clima, esta é uma solução possível nesse momento de crise e dificuldade diante do pouco orçamento que temos. No entanto, só posterga uma situação, que é completamente inusitada", afirmou.

 

Governo

 

O Ministério da Ciência e Tecnologia foi procurado pelo G1, mas não retornou até a publicação desta reportagem para informar se tem previsão orçamentária para a compra de um novo supercomputador.